Meio-ambiente

Início » Editorias » Notícias » Meio-ambiente

CETESB investiga mancha vermelha que apareceu no Rio Capivari

Por Tonny Machado Publicado em 21/08/2018, 11:52 - Atualizado em 21/08/2018, 15:18

Fotos: José Carlos Barroso e Sandra Mara Lisboa Barroso

Uma mancha vermelha foi vista no Rio Capivari por volta das 10h da manhã desta segunda-feira (20), próximo à ponte da Avenida Pio XII, em Capivari. A imagem foi registrada e enviada por José Carlos Barroso e Sandra Mara Lisboa Barroso.

Por volta das 11h, quando técnicos da Diretoria de Meio Ambiente foram ao local, a mancha já havia desaparecido.

De acordo com a pasta, não foi detectada a fonte deste lançamento. O impressionante foi que tudo sumiu pouco tempo depois de ela ter sido vista. Outra mancha só que mais fraca, foi vista pelos técnicos as margens do rio, em uma rede de esgoto que é despejada no leito.

A Diretoria de Meio Ambiente do município repassou o caso para a CETESB e está no aguardo de um posicionamento a respeito do que se trata o despejo.

CETESB investiga mancha vermelha que apareceu no Rio Capivari 2018-08-21T15:18:23+00:00

Concurso premiará projetos que revitalizarem áreas agrícolas

Por Júnior Cardoso Publicado em 06/04/2018, 16:15 - Atualizado em 06/04/2018, 16:28

Com o objetivo de estimular antigas áreas de mineração em novos negócios e turismo, a Secretaria de Estado de Energia e Mineração, em parceria com a Escola Politécnica da USP, lançou, nesta quinta-feira (05), o 1° Concurso de Projetos de Destinação de Áreas Mineradas para Utilização Econômica e Social.

O campeonato visa difundir a ideia de que a mineração após cumprir sua missão de abastecer as cadeias produtivas com insumos minerais, podem ter novas aplicações de alto interesse social, econômico e turístico em áreas exauridas.

O secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, conta que existem exemplos de áreas mineradas na capital paulista que podem servir de exemplo para outras cidades do Estado. “A raia olímpica da USP, onde diversos atletas treinam esportes aquáticos, e o parque do Ibirapuera são dois exemplos concretos de antigas áreas de mineração de areia que tiveram uma redestinação e atualmente servem de lazer para a população”, disse.

Para participar do evento, é necessário que estudantes estejam regularmente matriculados e cursando universidades de todo o Estado. Os trabalhos podem ser realizados em equipes de até cinco pessoas. O foco, dessa forma, é mostrar a utilidade e os benefícios que essas áreas podem trazer ao meio acadêmico e, sobretudo, para a população.

“A escola politécnica está muito feliz em realizar essa parceria. Desejamos desenvolver políticas públicas de médio e longo prazo com projetos de estado para a sociedade”, afirmou a diretora da Poli-USP, Liedi Bernicci.

Será abordado duas modalidades, Mineração em Cavas e Mineração em Meia Encosta. Os projetos, portanto, deverão ser realizados com base em áreas mineradas exclusivamente no Estado de São Paulo. Os três melhores de cada especificidade serão premiados com troféus e certificados entregues em solenidade, realizada no dia 10 de setembro.

“Sou entusiasta dessas iniciativas com as universidades. Esse concurso encontra um eco enorme especialmente com quem trabalha na área de meio ambiente”, ressaltou o secretário-adjunto do Meio Ambiente, Eduardo Trani.

Assim como ele, o professor e chefe do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo da Poli/USP, Giorgio de Tomi, ressaltou também a relevância do concurso para além do meio acadêmico. “Trouxemos a ideia da Subsecretaria de Mineração para dentro da Poli e estruturamos o projeto que deve dar uma importante contribuição para o setor de mineração e de meio ambiente”.

A partir do dia 30 de abril, as inscrições dos projetos serão abertas ao público e vão até 30 de junho. Os estudantes interessados podem conferir o edital no site da USP na área do Departamento de Engenharia de Minas e Petróleo e Núcleo de Pesquisa para a Mineração Responsável.

“Tragam projetos de todas as universidades e cidades que vamos analisar. Parabenizamos a USP por realizar esse projeto que transcende a instituição, o que mostra o seu compromisso com o desenvolvimento do Estado”, comenta o subsecretário de Mineração, José Jaime Sznelwar.

A Comissão Julgadora será constituída por até 20 membros incluindo professores universitários, representantes do setor produtivo, órgãos estaduais e profissionais de notório saber.

Concurso premiará projetos que revitalizarem áreas agrícolas 2018-04-06T16:28:45+00:00

Outono começa nesta terça (20) e trará clima ameno em todo o país

Por Júnior Cardoso Publicado em 19/03/2018, 16:16 - Atualizado em 19/03/2018, 16:16

O outono começa amanhã (20), às 13h16. Neste dia e horário, ocorrerá o equinócio, quando o período de incidência de raios solares é o mesmo nos Hemisférios Norte e Sul. Assim, a data terá 12 horas de dia e 12 horas de noite.

A estação, que antecede o inverno, é caracterizada por temperaturas mais amenas, com menor quantidade de chuvas e, no decorrer do período, com noites mais longas, propícias para a observação do céu.

De acordo com o astrônomo Nelson Travnik, responsável pelo Oapes (Observatório Astronômico de Piracicaba Elias Salum), a partir do equinócio de outono, as noites se tornam mais longas e os dias mais curtos até o solstício de Inverno no dia 21 de junho quando irá acontecer a noite de maior duração e o dia mais curto.

“Dizemos que nos equinócios o Sol atravessa o Equador Celeste no chamado Ponto Vernal, que após ter permanecido seis meses no Hemisfério Celeste Sul, entra no Hemisfério Celeste Norte. Essa data é tão importante que até o ano 153 a.C. no Império Romano, o ano iniciava-se no dia 15 de março que era considerado o equinócio da Primavera setentrional. Mais tarde, o dia 21 de março foi estabelecido no Calendário Juliano como data do equinócio de Primavera e mais tarde em 325 d.C. no Concilio de Nicea, essa data tornou-se um marco para a fixação da data da Páscoa como sendo o primeiro domingo após a primeira Lua Cheia que ocorre após o equinócio da Primavera boreal”, explicou Travnik.

“A Páscoa foi, pois, assentada segundo regras astronômicas. Portanto fica explicado que após o equinócio dessa terça-feira, o próximo domingo, dia 1º de abril, é o domingo de Páscoa”, completou.

Nas noites de outono, podem ser observadas as constelações de Leão, Orion, Cruzeiro do Sul, Centauro, Carina e Cão Maior, entre outras. O planeta Vênus fica visível imediatamente após o por do Sol e Júpiter começa a aparecer após as 22h na constelação da Balança (Libra). Fechando o mês, no sábado (31), irá acontecer a segunda Lua Cheia do mês, chamada popularmente de Lua Azul.

O Observatório é aberto para visitação pública aos sábados, desde que não chova, das 19h às 22h. Não é necessário agendamento prévio. O endereço é rodovia Fausto Santomauro, km 3.

Outono começa nesta terça (20) e trará clima ameno em todo o país 2018-03-19T16:16:07+00:00